Com o Transfor e o Metrofor, a perspectiva é de uma cidade mais livre para ir e vir, mas também mais ciente dos direitos de pedestres e guiadores

Depois de tanta demora, tanto breque, com sinal vermelho até debaixo de viaduto, o caminho da aniversariante deverá se abrir. Dentro de cinco anos, Fortaleza começará a ganhar grandes brechas em seu trânsito encurralado, abarrotado hoje por 540 mil veículos e vias espremidas . Com um trânsito ruim, o transporte sobre rodas, feito em ônibus, vans, táxis e mototáxis, tende a sofrer as conseqüências. Sem opções, nos horários de pico, poucos passam da primeira marcha e param nos engarrafamentos.

Se os dois principais projetos de trânsito e transporte anunciados para os próximos anos, o Transfor e o Metrofor, andarem dentro do que está hoje programado, a Cidade estará outra em breve. Mais fluida, com mais alternativas para ir e vir. Mas somente se nada der errado ou precisar ser adiado mais uma vez.

Transfor e Metrofor já são cantados e tocados pelo Poder Público há uma década. Mesmo assim, ainda não existem de fato. São longas gestações. As cabeças técnicas, como toda proposta deste porte, sofreram trocas. Os recursos financeiros chegaram a estancar entre um governo e outro, até saírem a fórceps. Segundo gestores dos dois projetos ouvidos pelo O POVO, a cota de sangria do dinheiro agora está garantida. Nunca foi tão boa.

As propostas, que estão com prazo confirmado de entrega, são vendidas como "um novo conceito de coletividade", "indutoras de desenvolvimento". O Transfor deve ser executado em cinco anos, com previsão de readequação e ampliação nos anos seguintes. O Metrofor já opera daqui a dois anos. Ambos exigirão mudanças na cultura das ruas de guiadores e pedestres. Quem é motorista ou passageiro terá novos hábitos porque a promessa é de que haverá mais opções para se deslocar de um ponto a outro da cidade. Será a exigência de uma qualidade de vida, aliada à impaciência com o que existe, que determinará a migração para os novos serviços.

Com os US$ 142 milhões já em caixa, o Transfor começará criando grandes corredores exclusivos para ônibus, duplicando avenidas, abrindo ciclovias, ampliando vias, renovando a frota de ônibus com veículos maiores. O metrô de R$ 1 bilhão de Fortaleza, a partir de 2010, levará o usuário a Caucaia (linha Oeste) ou a Pacatuba e Maracanaú (Linha Sul), cortando vários bairros. Há estudos para novas linhas dentro da cidade (do Centro ao bairro Edson Queiroz e da Parangaba ao Mucuripe). Para estes novos trechos, precisará de dinheiro novo. Futuramente, tudo deverá ser integrado num único sistema: ônibus-metrô-vans. Para Capital e Região Metropolitana, garantem os gestores.

Na regra básica da engenharia de trânsito, a solução para qualquer sistema de tráfego é segurar os carros de passeio em casa - como a própria classificação diz - e priorizar o transporte coletivo. Embora tudo pareça óbvio, está flagrante que isso não é o que acontece em maior escala hoje.

A Capital cearense ganhou mais de 200 mil veículos na frota em dez anos. De 347.600 em 1998, saltou para 538.772 em dezembro de 2007, conforme o Detran. E essa velocidade para surgirem mais rodas circulando só aumenta, pela facilidade nos financiamentos de longuíssimo prazo. A malha viária não acompanhou tanta motorização nas ruas. Resultado: os espaços para trafegar ficaram mínimos.

Daqui a cinco anos, quando o Transfor for completado e o metrô já estiver operando, deverão ser mais 200 mil veículos na cidade. A Capital terá 287 anos. Ainda não será um caos como o de São Paulo, com seus 6 milhões de veículos. Mas será ainda um grande problema para Fortaleza resolver. Talvez até lá o sinal no viaduto desapareça.

NÚMEROS

540.000 - veículos compõem a frota de Fortaleza. Foram 200 mil a mais na última década, segundo o Detran. Crescimento anual de 7%

1.623 - ônibus e 320 vans fazem o transporte coletivo regular na Capital. Há 4.072 táxis e 2.209 mototáxis na cidade

2010 - é o ano em que o Metrofor começa a operar, ligando Fortaleza a Caucaia, Pacatuba e Maracanaú

Cláudio Ribeiro da Redação

Retour à l'accueil