Overblog Suivre ce blog
Editer l'article Administration Créer mon blog
Brésil Ceara Fortaleza

Mulheres de comunidades são afetadas diretamente por atividades policiais

Adital.com

"A realidade para as moradoras de comunidades carentes é catastrófica. São as vitimas escondidas da violência criminal e policial que tem dominado suas comunidades há décadas". A frase de Tim Cahill, pesquisador sobre temas relacionados ao Brasil na Anistia Internacional, explicita a realidade encontrada pela organização internacional nas regiões mais pobres do país, revelada em relatório divulgado hoje.

O estudo "Por trás do silencio: experiências de mulheres com a violência urbana no Brasil" entrevistou mulheres de diferentes cidades - como Salvador e Rio de Janeiro - e ouviu delas histórias de violência policial e desrespeito aos direitos humanos em suas lutas diárias para viver, educar seus filhos e lutar por justiça.

Esquecidas pelo Estado, que só sobe o morro para realizar invasões policiais, elas são vítimas de revistas ilegais, feitas por agentes masculinos; que utilizam ainda linguagem abusiva e discriminatória. Segundo Cahil, quando as mulheres agem para proteger um familiar, elas são ainda mais intimidadas.

"Na ausência do Estado, chefes do tráfico e líderes de gangues são a lei na maioria das comunidades carentes. Eles punem e protegem, e usam mulheres como troféus ou instrumentos de barganha", acrescentou.

A violência afeta setores básicos da comunidade como saúde e educação. Nesse sentido, muitas mulheres são forçadas a andarem quilômetros para ir a uma clínica médica, porque a que fica próxima à casa dela está em território rival. Já as crianças podem passar semanas sem ir à creche ou à escola, porque essas estão fechadas em razão da violência, ou de operações policiais.

De acordo com o relatório da Anistia, o Estado viola os direitos das mulheres ao apoiar práticas policiais que conduzem a execuções extrajudiciais; ao perpetuar um sistema que torna o acesso à justiça extremamente difícil, senão impossível; e ao condená-las à miséria.

Essa violência policial mina a confiança que as mulheres deveriam ter nas forças de segurança e inibe-as na busca pela defesa de seus direitos, e por justiça, no espaço do Poder Judiciário. Nesse sentido, a Anistia disse que o Brasil persiste no fracasso em enfrentar as violações sistemáticas dos direitos humanos no sistema de justiça criminal e põe em risco a esperança e as promessas que suas próprias leis e instituições inspiraram.

As mulheres, que moram nas comunidades mais pobres, "quase sempre se referem à presença da polícia como ameaçadora, não protetora". E, embora elas não sejam os principais alvos das operações policiais, elas também sofrem abusos e discriminação como moradoras.  Tanto em Salvador, quanto no Rio de Janeiro, as mulheres entrevistadas pela organização disseram que os policiais chamavam-nas de vagabundas.

Durante a invasão pela polícia das comunidades de Vila Cruzeiro e do Complexo do Alemão, entre o final de 2006 e o começo de 2007, as mulheres relataram que eram chamadas de putas, criminosas e vagabundas pelos policiais. Algumas mulheres são vítimas de violência ao entrarem para o mundo das gangues criminosas

Outras, além das agressões verbais, são afetadas por balas perdidas, e uso aleatório de armas pesadas; ou pela perda de seus familiares, "pela dificuldade em criar suas famílias em meio a um ambiente repleto de perigos, e para manter os seus filhos, e elas mesmas, a salvo tanto violência e das intimidações dos criminosos quanto da polícia".

O Programa Nacional de Segurança Pública com Cidadania (Pronasci) é visto pela Anistia como uma indicação de que as autoridades reconhecem que alguma coisa deve ser feita para enfrentar os problemas que têm custado a vida de tanta gente, mas as necessidades específicas das mulheres não estão contempladas nele. Assim, a AI pede que o programa identifique as necessidades específicas das mulheres e atue para superá-las.

Fonte : www.adital.com


Commentaires