Monumento lembra história da marcha da Coluna Prestes

Publié le 16 Décembre 2006

Um monumento que marca a passagem da Coluna Prestes no Ceará foi inaugurado ontem próximo à estação ferroviária de Crateús, a 410 quilômetros de Fortaleza.

"Eles não eram bandidos e se revoltaram foi contra o governo. Queriam era a melhoria do povo. Mas, na época, ninguém entendia muito bem e eles, para fugir da polícia, precisaram fazer uma trincheira. Ficaram até em cima da torre da igreja. O certo que alguns foram mortos porque não aceitavam as coisas do governo". A história sobre os integrantes da Coluna Prestes, movimento que atingiu todo o País liderado por Luiz Carlos Prestes foi contada a dona Iracema Macedo de Barros, 68, por seu pai, o agricultor Antonio Francisco de Macedo, que na época tinha 24 anos. Ela mora em Crateús, uma das cidades por onde Prestes passou no Ceará e que, ontem, recebeu um monumento em homenagem aos 80 anos de sua marcha pelo Estado.

A inauguração, à noite, contou com a presença do governador Lúcio Alcântara, o prefeito municipal José Almir Claudino Sales (PMDB), e o presidente a Comissão Especial de Anistia Wanda Sidou, Papito de Oliveira. "Entregamos mil cartilhas sobre a Marcha da Coluna Prestes no Ceará para serem distribuídas nas escolas e os mais jovens ficarem conhecendo e pesquisando sobre esse fato histórico", disse Papito. Ele é o organizador da cartilha que se refere aos participantes da Coluna e das cidades por onde Prestes passou no Estado: na noite de 12 de janeiro de 1926, o batalhão da Coluna, saindo do Piauí chegou ao Ceará passando por Ipueiras, Ipu, Nova Russas, Crateús, Novo Oriente, Quiterianópolis e Arneiroz.

"É um processo educativo. Os mais velhos sabem a história e os jovens vão ficar conhecendo com a inauguração do monumento e a cartilha", diz Papito. No monumento, porém, ainda não há indicação do que significa e quem está homenageando, mas, segundo o presidente da Comissão Especial de Anistia Wanda Sidou, a placa está sendo providenciada para que os moradores de Crateús e visitantes fiquem sabendo que a cidade foi a única no Ceará que se rebelou contra os chamados "revoltosos". O monumento à Coluna Prestes fica na avenida Francisco Sá, próximo à praça prefeito Antonio Arcelino, no centro do município.

O comerciante Antônio de Oliveira Barros, 75, também ficou conhecendo a história de Prestes, em Crateús, através dos pais. "Foi a única cidade que enfrentou os homens e até ficaram três mortos do batalhão. "Eu não sabia que esse monumento, em frente ao meu comércio fosse em homenagem à Coluna, porque não tem nenhuma placa. Ma dizem que vão colocar, né?", completa.

Rédigé par Rita Célia Faheina enviada a Crateús

Publié dans #CEARA

Commenter cet article