CRÉDITO PARA MAMONA

Produtor terá R$ 50 mi

Além de inaugurar usina de biodiesel em Crateús (a 354 km de Fortaleza), o presidente Luiz Inácio Lula da Silva participa hoje da solenidade de assinatura de um termo de cooperação que deve viabilizar, em 2007, recursos da ordem de R$ 50 milhões para financiar cerca de 10 mil pequenos produtores de mamona no Nordeste. Desse montante, a expectativa é que cerca de 18% (R$ 9 milhões) fiquem no Ceará. Apesar da instalação da unidade crateuense, a produção local de mamona ainda é insuficiente para abastecer a usina.

Cooperação
O termo de cooperação entre o Banco do Nordeste, o Ministério do Desenvolvimento Agrário (MDA), a Confederação Nacional dos Trabalhadores na Agricultura (Contag) e a empresa Brasil Ecodiesel, proprietária da unidade de Crateús, pretende inserir mais pequenos agricultores nessa cadeia e ampliar a matéria-prima para o biocombustível.

De acordo com dados do Ministério de Desenvolvimento Agrário (MDA), em 2006, havia cerca de 24 mil famílias no Nordeste, com contrato para produzir matéria-prima para a Brasil Ecodiesel, das quais cerca de 15,5% (3.720) estão no Ceará. A previsão do Governo Federal é que essa quantidade cresça 191,66% e chegue a 70 mil famílias na região em 2007. Se a ampliação for registrada na mesma proporção no Ceará, o número de produtores de mamona passaria para 10.850 no Estado neste ano.

O coordenador geral de combustíveis renováveis do Ministério de Minas e Energia, Ricardo Gomide, disse que a Brasil Ecodiesel tem em estoque 35 mil toneladas de mamona e espera produzir mais 145 mil toneladas no Nordeste em 2007.

Pronaf
Segundo o Banco do Nordeste, os agricultores da região devem ser beneficiados com recursos do Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar (Pronaf). ´O Ceará representa tradicionalmente 18% do que é aplicado no Pronaf´, estimou o gerente de gerenciamento do Pronaf e programas de crédito fundiário do banco, Luís Sérgio Farias Machado. Ele explicou que o convênio é uma das estratégias do programa de biocombustível e que o crédito pode ser ampliado, dependendo da demanda.

Cristiane Bonfim Repórter

CONTRATO COM A PETROBRAS

Brasil Ecodiesel investe R$ 22 mi

Unidade de Crateús irá contribuir com 90 mi de litros de biodiesel

Com investimento próprio de R$ 22 milhões e 20 mil toneladas de mamona em estoque, volume suficiente para produzir oito milhões de litros de biodiesel, em um mês, a Brasil Ecodiesel inicia oficialmente hoje, a produção de óleo verde na nova usina de Crateús, no sertão central cearense. A nova unidade, que será inaugurada com a presença do presidente Lula da Silva, terá capacidade instalada de produção de 10 milhões de litros de óleo por mês, ou 118 milhões de litros/ano.

Para abastecer a nova usina, bem como as demais 19 unidades da empresa em todo o País, e assegurar o fornecimento de 450 milhões de litros de biodiesel até o fim deste ano, já contratados com a Petrobras, o engenheiro eletricista e presidente da Brasil Ecodiesel, Nelson José Côrtes da Silveira, informou que a empresa está celebrando contrato com produtores de mamona, girassol e de óleo de soja, em todo o País. “Somente no Nordeste, temos contratos com 45 mil famílias, que estão plantando mamona, com contratos assinados e negociados com entidades sindicais e com a confederação dos trabalhadores da agricultura e federação estaduais de agricultores, além de outras oleaginosas”, enumerou Silveira.

Segundo ele, a nova unidade de Crateús irá contribuir com 90 milhões de litros de biodiesel, dos quais 30% serão produzidos a partir da mamona plantada no Ceará e demais estados do Nordeste. “70% (do biodiesel) será produzida com óleo de soja e de girassol”, informou o engenheiro.

Conforme disse o engenheiro, até o fim de 2007, a Brasil Ecodiesel projeta processar 120 mil toneladas de mamona, 280 mil toneladas de girassol e 430 milhões de litros de soja, adquiridos de todo o País.

Carlos Eugênio Enviado a Crateús

 


Retour à l'accueil