Overblog Suivre ce blog
Editer l'article Administration Créer mon blog
Brésil Ceara Fortaleza

Comércio internacional vai fortalecer MPEs

Diario do Nordeste

Governo do Estado reconhece que as dificuldades das empresas vão desde a abertura até a sobrevivência

O comércio internacional é uma possibilidade para fortalecer as micro e pequenas empresas (MPEs) do Ceará. Esta projeção visa incrementar um setor fundamental para a economia do Estado, responsável por 55% dos empregos formais, 26% da massa salarial, 20% do PIB (Produto Interno Bruto) e que caracteriza 99% das empresas do Estado.

Os dados foram citados na abertura da 12ª edição do Encontro Internacional de Negócios do Nordeste, uma iniciativa do Sebrae-CE, pelo vice-governador do Estado, Francisco Pinheiro, ontem.

Ele disse ainda que 2 milhões de cearenses trabalham em micro e pequenas empresas. Ciente do tamanho deste mercado, o vice-governador ressaltou que a gestão estadual reconhece as dificuldades desde setor, que vão desde a abertura das micro e pequenas empresas até a sobrevivência delas. ´O governo está empenhado em alterar este cenário de dificuldades´, garantiu Pinheiro. Para ele, uma saída é possibilitar negócios com mercado externo.

O encontro vai reunir cerca de 60 empresários de 13 países diferentes para fechar negócios com micro e pequenas empresas de todo o Nordeste. O objetivo é abrir novos canais de comercialização para os produtos das micro e pequenas empresas nordestinas. A expectativa é de que durante o evento sejam gerados negócios da ordem de US$ 30 milhões no curto e médio prazo.

O evento prossegue até amanhã e reúne 170 micro e pequenas empresas de 12 estados brasileiros. Para fazer negócios com essas empresas, estarão presentes empresários do Peru, Colômbia, Chile, Uruguai, Paraguai, Portugal, Espanha, Suíça, França, EUA, Cabo Verde, Senegal e África do Sul.

Mais de 50% dos produtos a serem negociados são dos setores de confecção, especialmente moda íntima e moda praia, alimentos e bebidas, construção civil, artesanato, floricultura e fruticultura.

Segundo o superintendente do Sebrae-CE, Carlos Cruz, o encontro vai estimular também a integração de negócios entre as pequenas empresas da região e o despertar dos empresários de pequeno porte para a exportação, além de novos mercados para o artesanato nordestino e o incremento do turismo de negócios. A idéia é que esse foco na exportação extrapole o Encontro. De acordo com o superintendente, o Sebrae no Ceará terá na promoção da inserção das empresas cearenses no mercado internacional uma das principais metas para 2008.

CEARÁ E ÁFRICA

Melhoria logística é chave para negócios

Países da África se queixam da insuficiência de meios de transporte, ligando-os ao Nordeste do Brasil

A ampliação das relações comerciais entre o Ceará e o continente africano depende principalmente da melhoria da infra-estrutura logística do Estado. Altamente dependentes da importação dos mais variados produtos para suprir o consumo interno, os países da África se queixam da insuficiência de meios de transporte ligando os dois mercados.

Para Manuel Monteiro, presidente da Câmara de Comércio, Indústria, Agricultura e Serviços de Barlavento, em Cabo Verde, há necessidade de incremento especialmente no modal marítimo para intensificar as relações com Cabo Verde. ´Apesar de termos vôo diário ligando nossos mercados, existem produtos como ferro, cimento e cereais, que só podem ser transportados de navio, mas o volume que precisamos é muito grande diante das opções de transporte por mar. Hoje só há um barco ligando os nossos portos´, observa.

De acordo com o presidente da Agência de Desenvolvimento Econômico do Ceará (Adece), Antônio Balhmann, o governo do Estado já está prospectando acordos com grandes armadores para ampliar as opções de transporte marítimo nas exportações cearenses. ´Há uma perspectiva envolvendo grandes armadores do mundo. Existe negociação por parte do governo, mas atualmente ainda não temos volume suficiente para atrair novas linhas. Os armadores só virão com a pressão dos investidores. Na proporção que se ampliam os mercados, nossa logística também tende a melhorar´, garante.

Para o conselheiro da Embaixada do Brasil no Senegal, César de Paiva Leite Filho, além da logística, os senegaleses enfrentam também a falta de conhecimento do potencial de troca que existe entre os dois mercados. ´Uma economia composta de pequenas e médias indútrias e que possui preços atrativos como o Ceará e outros estados do Nordeste tem uma relação custo e benefício excelente para o Senegal, mas a relação praticamente inexiste. O país importa quase tudo, de alimentos a têxteis e de automóveis a produtos químicos. Tudo o que o Nordeste e o Brasil produzem, nós precisamos, mas a inércia toma conta do empresariado´, lamenta.

Segundo o conselheiro, outro entrave é a falta articulação entre os estados e o governo federal para promover a aproximação dos países, inclusive por meio do incremento logístico. ´É preciso criar linhas que liguem o Brasil a outros mercados africanos´, diz.

06/03/08

Commentaires